Páginas

domingo, 2 de junho de 2013

O Beijo de Prata


A garganta dela começou a pulsar com vida perto de sua boca e ele sentiu-se atordoado com o aroma suave e quente. Tratou de controlar-se, mas não pôde: ela estava muito perto, disponível. As presas saíram de sua boca.
- Acredite nisto – suspirou e beijou-lhe a nuca brandamente. - E nisto, e nisto.
Então ela recebeu o beijo agudo, o beijo de prata, rápido, verdadeiro, tão cortante como uma navalha e ele se impregnou do calor dela. Sentiu como ela entrava em seu corpo, cálida e doce.

POR:

RS & RTS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Querida leitora (o), este espaço é pra você nos dizer o que pensa do livro, do autor e do blog, cuidado com Spoiler e ofensas, no mais tudo pode... bjs

Nosso Banner