Páginas

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Viagem ao Coraçao 02





Na continuação de Além do azul do céu, o cínico Jacob Hornblower volta ao passado para tentar resgatar Caleb, seu irmão, e levá-lo de volta para o futuro. Ao seguir as instruções deixadas por Caleb, ele chega a uma cabana nas montanhas onde encontra Sunny, irmã caçula de Liberty. Em pouco tempo a missão dele toma novos rumos, pois agora o rapaz tem de descobrir uma fórmula para viver em dois tempos distintos .








Conhecia os riscos. E ele era um homem desejoso de corrê-los. Um passo em falso e tudo teria terminado quase antes de começar. Sempre tinha pensado que a vida era como um jogo. Freqüentemente, possivelmente muito freqüentemente, deixou-se arrastar por seus impulsos para acabar enredando-se em situações potencialmente perigosas. Mas, naquele caso em particular, tinha calculado minuciosamente todas as probabilidades.
passou-se dois anos de sua vida calculando, provando, construindo. Até o mais mínimo detalhe tinha sido registrado, informatizado e analisado. Era um homem muito paciente... ao menos pelo que se referia a seu trabalho. Sabia o que poderia acontecer. E tinha chegado a hora de demonstrá-lo.
mais de seu amigo suspeitava que tinha transpassado a barreira que separava o gênio da loucura. Inclusive aqueles que mais entusiastas se mostravam com suas teorias tinham começado a preocupar-se. Não era a opinião pública o que lhe importava, a não ser o resultado. E o resultado daquela experiência, a maior de sua vida, seria pessoal. Muito pessoal.
Instalado frente ao grande painel curvo do quadro de mandos, assemelhava-se mais a um bucanero na proa de seu navio que a um cientista na cúpula de seu descobrimento. Mas a ciência era sua vida, e era a ciência o que o tinha convertido em um explorador da estirpe dos míticos Colombo e Magallanes.
Acreditava no azar, no mais puro sentido da palavra. Na imprevisível possibilidade da existência. E estava disposto a demonstrá-lo. além de seus cálculos, de seus conhecimentos e da tecnologia, necessitava um elemento mais. O fator que todo explorador necessitava para ter êxito. Sorte.
Sim. Naqueles precisos momentos, achava-se ao fim só na imensidão do espaço sideral, fora das rotas interestelares mais transitadas. Saboreando aquela especial intimidade entre o ser humano e seus sonhos impossível de desfrutar em um laboratório. Pela primeira vez desde que começou sua viagem, sorriu. Muito tempo tinha passado encerrado nos laboratórios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Querida leitora (o), este espaço é pra você nos dizer o que pensa do livro, do autor e do blog, cuidado com Spoiler e ofensas, no mais tudo pode... bjs

Nosso Banner